Gestora enfatiza importância dos processos para maior produtividade nas empresas
7 de dezembro de 2016
Um novo ano, um novo projeto
9 de dezembro de 2016

Desde sempre brincava de casinha e esperava o meu dia chegar – o dia de ser mãe.

Ser mãe: Na minha infância inocente, por volta dos 9 ou 10 anos de idade, ganhei uma boneca que parecia um bebê de verdade. O nome dela era Paloma. Esperei meses até ela chegar no Natal e, para mim, ela não era apenas uma boneca linda, era minha filha: Paloma Gonzalez.

Durante a espera, fiz um enxoval completo. A Paloma ganhou carrinho de bebê cor-de- rosa, bercinho, cueiro de flanela com biquinho de crochê (que pedi para minha avó Elvira fazer), sapatinhos e roupinhas. Tudo pronto para a chegada da minha filha e para o início da minha vida de mãe, mesmo que fosse de uma boneca.

Os anos passaram e tinha chegado a hora de ser mãe de verdade. Engravidei aos 17 anos do meu primeiro namorado. Imagine, meu pai espanhol ficou furioso! Minha mãe só chorava. Eu, meio anestesiada com a notícia, só tinha certeza de uma coisa: ser mãe do meu primeiro filho era o mais importante acontecimento da minha vida! Aquela experiência me fez sentir-me forte, uma leoa com a certeza de que tudo eu podia. Me sentia completa e dona de mim.

Esta história é cheia de detalhes felizes, tristes, difíceis, mas que valeram a pena.

Um dia, quando meu filho já tinha uns 2 ou 3 anos, papai estava me olhando e me disse: Tarsia, você trocou a Paloma por seu bebê de verdade. Dei um grande sorriso e concordei com ele.

Hoje tenho um lindo casal de filhos. Meu filho acabou de completar 30 anos e minha princesa completa 22 anos. Aqui entre nós, confesso ser muito feliz com os dois, mas queria ter uns 5 filhos e sempre fui alucinada por ter gêmeos.

A minha experiência pessoal me fez pensar no que poderia dizer a vocês, mulheres que passam pelo dilema: Ser ou não ser mãe? Conseguirei me dedicar à vida profissional e ser mãe ao mesmo tempo?

Antes de decidir por qualquer coisa, consulte o seu coração. Entenda e respeite seus sentimentos e desejos. Ser mãe é uma opção, e não uma obrigação social.

Hoje em dia, os casais já escolhem sem muitas reprimendas se querem ou não ter filhos. Existem homens convictos de que a vida de solteiro é a melhor vida para eles e, por isto, fazem vasectomia porque não se veem como pai. Há mulheres que decidem ter filhos por “produção independente”.

Enfim, ser mãe – ou pai – não vai tornar você mais ou menos feliz se não for um desejo real do seu coração.

Por isto, meu objetivo hoje é encorajar aquelas mulheres que, como eu, já se sentiam mães de suas bonecas e dizer que você consegue ser mãe e uma excelente profissional ao mesmo tempo. Planeje sua vida e não perca seu tempo. Você consegue ser tudo o que desejar: mulher independente, profissional, mãe, esposa. Podemos assumir os papéis que consideramos prioridade em nossa vida, sem precisar sacrificar nada. Dedique a sua vida a você mesma.

Não faça da maternidade um dilema e, sim, uma escolha. Planeje como quer a sua vida. Como você se vê daqui a 10 anos?

15 Comentários

  1. Rita de Cassia Cunha Silva disse:

    Gosto de ser mãe, é um Presente de Deus para mim!

  2. Geraldo Afonso Porto Pedrosa disse:

    Tenho 3 filhos ( duas são gêmeas ) e eles são o maior presente que Deus me deu; são fonte permanente de estímulos que me levam a lutar e realizar e exemplos de muitas coisas importantes como alegria, sensibilidade, perseverança e capacidade intelectual.

  3. Este artigo foi um presente neste dia! Gratidão , luz e amor 🍀🙌🏼💝

  4. Marina Diniz disse:

    Muito legal Tarsia!
    Não precisamos privar de nada né? Só tem que ser uma decisão nossa! Você disse tudo!

    Beijos ❤️❤️😘😘

  5. Silvana Barbosa disse:

    Linda Matéria Tarsia!
    Ser Mãe realmente é um presente de Deus…
    #amosermae

    • Silvana , muita alegria de te ver por aqui participando do meu trabalho . Me sinto honrada com seu comentário. Ser mãe é maravilhoso realmente, desde que seja antes de tudo uma escolha de dentro .Um grande beijo . Continue acompanhando , estou preparando muitas surpresas .Beijos

  6. Cintia disse:

    Tarcia, adorei esa matéria. Fui mãe aos 16anos, meus filhos são o meu maior tesouro. hj ele tem 20 e o ela15. Meus amores….

    • Cintia, sei exatamente o que sente. Fui mãe aos 17 anos e a partir da maternidade encontrei garra para toda e qualquer luta. Tenho também 2 filhos maravilhosos . Obrigada por prestigiar meu blog . Quando desejar envie sugestões para próximos artigos. Um beijo

    • Cintia, sei exatamente o que sente. Fui mãe aos 17 anos e a partir da maternidade encontrei garra para toda e qualquer luta. Tenho também 2 filhos maravilhosos . Obrigada por prestigiar meu blog . Quando desejar envie sugestões para próximos artigos que gostaria que eu abordasse pelo meu ponto de vista .

  7. Ana Gequelin disse:

    Palavras lindas!
    Sei da sua história e admiro demais cada passo e decisões que sempre tiveram garra!
    Muito bom ler um conselho de quem quem gente admira !!
    Amando seu blog !!

    • Querida Ana, fico muito feliz com sua participação. Estou construindo através deste trabalho uma forma de alcançar as pessoas, as empresas e é claro com uma carinho especial por nos mulheres, executivas, mães,namoradas, esposas e filhas que a cada dia são mais cobradas de uma sociedade ainda muito machista. Este artigo ” Ser mãe é uma opção e não um dilema” tento mostrar quem muitas vezes passamos por uma pressão desnecessária na nossa vida. Sugiro a todos as mulheres sentirem mais o coração e se desvincularem das regras sociais.Um beijo enorme e muito obrigada por me prestigiar . Tenho muitas surpresas para 2017.

  8. felipe disse:

    Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigado 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *