A experiência de se aproximar de todos os elos da cadeia
23 de fevereiro de 2017
Passou o carnaval! E agora, o Brasil decola?
1 de março de 2017

Mas afinal, o que é o amor?

Desejado por muitos, inexplicável para tantos. Por que precisamos do amor? E de que forma ele dirige nossas vidas? Entender a importância do amor em nossas vidas pode nos fazer pessoas melhores e mais preparadas para o dia a dia.

O que é realmente o amor? Um mito inalcançável? Um sentimento de vazio quando estamos longe do ser amado? Uma ilusão criada por nós? As opiniões variam de lugar para lugar, de época para época, de cultura para cultura, de pessoa para pessoa. Essa variedade e inconstância de opiniões mostram que a essência deste sentimento não é realmente conhecida. Portanto, existe um campo de opiniões muitas vezes inalcançável.

Porque sentimos necessidade do amor? Acredito que amor é mutável e as formas de amar, as mais diferentes possíveis. Perceber o verdadeiro sentido do amor e das possibilidades desse sentimento tem como principal obstáculo a própria confrontação do sentimento. Estar preparado para senti-lo e, para isso, a melhor forma é o autoconhecimento, que desperta, muitas vezes, difíceis questões de enxergar e assumir.

Existem verdades dentro de nós que são nossa essência, opiniões estabelecidas que se unem à nossa própria história, e é necessário ficar frente a frente com esse universo interior antes de nos doarmos ao outro, para não buscarmos soluções de nossos conflitos no sentimento que o outro nos traz.

Todas as carências, desilusões, dúvidas e incertezas geradas por todo ser humano, no decorrer da vida, devem ser de sua própria responsabilidade. Existem pessoas que passam por uma vida inteira buscando no amor do outro a sua própria felicidade e, antes de amar alguém, devemos ser autossuficientes, autônomos, genuínos e então reconhecer no outro, por meio da vivência e da intimidade, maneiras que nos possam conduzir a viver realmente este sentimento.

2 Comentários

  1. Ricardo Vasconcelos Lelis disse:

    Boa tarde Társia,

    “Todas as carências, desilusões, dúvidas e incertezas geradas por todo ser humano, no decorrer da vida, devem ser de sua própria responsabilidade. Existem pessoas que passam por uma vida inteira buscando no amor do outro a sua própria felicidade e, antes de amar alguém, devemos ser autossuficientes, autônomos, genuínos e então reconhecer no outro, por meio da vivência e da intimidade, maneiras que nos possam conduzir a viver realmente este sentimento..!”

    Eu não sei o que é o amor, mas essa frase que colei acima retirada do texto é a melhor definição do que NÃO é o amor!
    Não é possível amar ao próximo sem antes amarmos a nós mesmos!

    Não podemos dar o que não temos, não colhemos o que não produzimos..!

    Grande abraço!

    Ricardo Vasconcelos Lelis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *